Notícia Cufa 




25/06/2019 - Arte e cultura

Preto Zezé, presidente da CUFA Global, lança livro ‘Das Quadras Para o Mundo’

Uma das mais importantes lideranças sociais e políticas cearense, Preto Zezé lança seu segundo livro, agora pela Editora Cene, onde conta sua trajetória na Comunidade das Quadras, seus desafios e conquistas como presidente da Central Única das Favelas (Cufa). O evento acontece no dia 3 de julho, 18h, na Livraria Cultura, na avenida Dom Luís. Parte da renda com a venda do livro será revertida para a CUFA

No dia 3 de julho, o presidente da CUFA Global, Preto Zezé, lança o seu livro “Das Quadras Para o Mundo” (Editora Cene, 192págs, R$39,90), na Livraria Cultura na avenida Dom Luís, no bairro da Aldeota, em Fortaleza/CE. O evento de lançamento contará, ainda, com sessão de autógrafos e bate papo com convidados e o secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Ceará Élcio Batista.

Na obra, o ativista social apresenta em crônicas sua trajetória vivida na comunidade das Quadras, na Aldeota e seu trabalho à frente Central Única das Favelas – CUFA. Zezé revela como se tornou um o evento de lançamento contará, ainda, com sessão de autógrafos e bate papo com convidados e o secretário-chefe da Casa Civil do Governo do Ceará Élcio Batista.

O prefácio do livro é de Celso Athayde, CEO da Favela Holding, fundador da CUFA e amigo de longa data de Preto Zezé, e o leitor já poderá ter um pequeno aperitivo do tamanho e alcance do trabalho desenvolvido por Preto Zezé no Ceará e o Brasil. Segundo Celso Athayde, já no primeiro momento em que teve contato com o autor, começa a nascer o sonho de criar uma instituição de favelas.

“Num primeiro contato, recrutei, cooptei e apresentei ao Zezé uma realidade e um olhar diferenciado; contei minha história de vida, que também é parecida com a dele, apresentei-lhe o MV Bill, que se preparava para ser um dos maiores ativistas sociais do país. Preto Zezé era o meu maior e mais qualificado crítico, mas com o tempo percebeu que tínhamos mais semelhanças do que divergências e partiu para cima para somar nossos pontos em comum. Apesar de um olhar sempre crítico sobre a realidade que nos cerca, Zezé está sempre procurando construir pontes. Com certeza essa é sua maior característica”, escreve Celso.

 

Atualmente, Preto Zezé é um dos representantes da Cufa Global, uma articulação internacional que liga dezessete países com sede em Nova Iorque.

Preto Zezé

Preto Zezé, 43 anos, nasceu em Fortaleza, entre as ruas de terra da favela das Quadras e o asfalto da Aldeota. Filho de pais retirantes do interior, mãe doméstica e pai pintor da construção civil, é o mais velho de uma família de cinco irmãos.

 

Seu primeiro projeto de empreendedor foi ser lavador de carros nas ruas da cidade; formou-se na cultura dos bailes funks e da pichação. Em 90 iniciou seu ativismo social na cultura Hip Hop. Criou o Movimento Cultura de Rua, como uma rede de jovens das favelas que atuavam pelos direitos civis nas favelas, através de ações culturais e sociais.

 

 

Produtor artístico e musical, lançou sete discos, sendo um deles premiado como revelação Norte e Nordeste no maior prêmio de Hip Hop do país, o Prêmio Hutuz.
Idealizou o Programa Se Liga, na TV Verdes Mares: O som do Hip Hop em parceria com a Universidade Federal do Ceará – UFC. Como produtor cultural, realiza diversas ações e projetos culturais como forma de construir uma agenda positiva nas favelas.

 

Preto Zezé é autor do livro Selva de Pedra: A Fortaleza Noiada, uma pesquisa oriunda do Documentário Falcão – Meninos do Tráfico, de Celso Athayde e MV Bill, onde é relatado o circuito do crack e os seus danos sociais. 

 

Em 2004, foi coordenador estadual da Cufa CEARÁ e em 2014 torna-se presidente nacional da entidade. Foi blogueiro do site G1 e repórter do quadro Vida Real – Talentos da Comunidade, da TV Verdes Mares (afiliada da Rede Globo - Ceará).
Atualmente, está na presidência internacional da CUFA GLOBAL com sede em Nova Iorque; é empresário e consultor de projetos para empresas e governos na área do desenvolvimento socioeconômico.

 

Trechos do livro

 

"Ser ignorado é a pior coisa do mundo; impor a invisibilidade para alguém é violência pura, e essa violência é daquelas que quase sempre não conseguimos nos defender, porque, diferente da violência física, a gente não vê concretamente e logo não consegue criar mecanismos de proteção. É como escrever sem borracha ou nunca ter comido de garfo e faca e chegar num restaurante cheio de requintes de elegância, onde você tem que seguir um enredo que nunca foi ensinado. Esse é o rascunho espinhoso do mundo do homem branco do asfalto."


"A invisibilidade é um local não existente fisicamente. Ela é um sistema de diminuição e dominação que controla as emoções, inibe sua ousadia e te faz menor que todos. Como você não se sente capaz, é impossível de você ter uma atitude proativa. Te imobiliza e aí, fisicamente, você some."


"Minha luta diária é poder inspirar você para fazer a sua caminhada, para ter estímulo no seu objetivo e construir uma vida melhor para você e para os seus."


"Não deixe a vergonha, a soberba e arrogância te consumirem. Por outro lado, seja ousado ao comemorar suas conquistas e se não puder ser o bom o tempo inteiro, procure sempre ser justo. As palavras provocam boas emoções, mas os exemplos arrastam e mudam o mundo."

 

"Não permitam que ideias negativas te ganhem, nem que façam do seu sofrimento justificativa, da sua tragédia palanque e da revolta munição; você é melhor que isso e pode mais."

 

 

Serviço:

Bate-papo e lançamento do livro “Das Quadras Para o Mundo” – Preto Zezé

Quarta-feira, 3 de julho

Horário: 18h

Local: Livraria Cultura
Endereço: Avenida Dom Luís, 1010, Aldeota; Fortaleza - Ceará

www.editoracene.com.br

 

 

Assessoria de Imprensa

Aécio Santiago

(85) 9.8723.1539 / 9.935.5990

aeciofsantiago@gmail.com







CUFA 2019 - Central Única das Favelas. Todos os direitos reservados.
Para entrar em contato conosco: midia@cufa.org.br